Renova Energia entra com pedido de recuperação judicial com dívidas de R$ 3,1 bi; units caíram 20,7%

A Renova Energia ajuizou pedido de recuperação judicial em São Paulo na noite desta terça-feira, 15, em caráter de urgência, e do com a anuência dos controladores Cemig e CG I FIP Multiestratégia. Das várias empresas relacionadas, ficaram de fora do pedido da recuperação judicial dois projetos, por serem considerados operacionais e financeiramente equacionados: Brasil PCH, que possui 13 pequenas centrais com contratos firmados de longo prazo, e garantia de receitas e de rentabilidade, sendo que em 2019 já distribuiu R$ 86 milhões de dividendos ao Grupo Renova; e Enerbrás e sua subsidiária Energética Serra da Prata (ESPRA), com 3 PCHs em operação, que gera em média R$ 20 milhões em dividendos por ano. O pedido de recuperação ajuizado contempla obrigações de R$ 3,1 bilhões, praticamente todo com bancos e demais credores; e uma parte trabalhista, de R$ 11,7 milhões. Como detalha a petição inicial de recuperação judicial, elaborada por Felsberg Advogados, do total da dívida R$ 834 milhões correspondem a débitos intercompany e R$ 980 milhões a débitos com seus atuais acionistas. Ainda na peça está destacado que o maior vetor de geração de riqueza do Grupo Renova é a expertise em desenvolver projetos eólicos, com cerca de R$ 600 milhões em sua carteira de projetos. O plano de recuperação judicial será apresentado a Assembleia Geral de Credores, a ser convocada, e “pretende restabelecer seu equilíbrio econômico-financeiro e honrar os compromissos assumidos com seus diversos stakeholders e, em um futuro próximo, retomar uma trajetória de crescimento sustentável, dentro das reais possibilidades operacionais e financeiras da Renova e de seus acionistas”, segundo o fato relevante.

Posts recentes

Ver tudo

Brasília - 61 3044-1604

Goiânia - 62 3998-3055

  • whatsapp
  • Facebook Basic
  • Twitter Basic
  • Preto Ícone Yelp
  • Preto Lugares Ícone Google
  • LinkedIn Basic
  • bandeira-brasil_318-63034